Vegetarianismo – O que é? Como adotar? O que comer?

Você já ouviu falar no vegetarianismo? Essa é uma prática alimentar que já virou filosofia de vida! Confira mais informações, aqui no QVB.

A preocupação com a saúde e o bem-estar dos animais fez com que o vegetarianismo ficasse cada vez mais popular. Mas, você sabe exatamente o que essa prática significa? Confira essa e outras informações e dicas para se tornar vegetariano.

O que é vegetarianismo?

Trata-se de um regime alimentar que elimina totalmente todos os tipos de carne das refeições, passando a consumir uma quantidade maior de frutas, legumes e verduras, por exemplo.

Vegetarianismo

[VEJA TAMBÉM: QUAIS OS RISCOS DE SER VEGETARIANO?]

Tipos de vegetarianismo

Os diferentes tipos de vegetarianismo estão associados ao consumo ou não consumo de produtos de origem animal. De modo geral, esse regime alimentar pode ser:

  • Ovolactovegetarianismo: quando a pessoa não consome carne, mas mantém ovos, leites e seus derivados em sua alimentação;
  • Ovovegetarianismo: quando não há o consumo de carne, leite e seus derivados, mas sim de ovos;
  • Lactovegetarianismo: quando é feito o consumo de leite e seus derivados, somente;
  • Vegetarianismo estrito: quando todos os alimentos de origem animal são eliminados das refeições.

Por que virar vegetariano?

São vários os motivos para se tornar vegetariano. Abaixo, listamos os mais citados por pessoas que adotam esse regime alimentar. Veja quais são eles:

Ética e bem-estar animal

Segundo a Sociedade Vegetariana Brasileira, mais de 10 mil animais são abatidos por minuto no país para produção e comercialização de carne, sendo que boa parte das espécies é mantida em situação de confinamento (não compatível com sua natureza).

O vegetarianismo surge como uma alternativa para não compactuar com o confinamento, a exploração e o abate dos bichos, sendo uma escolha associada à ética e preservação do bem-estar animal.

Adoção de alimentação saudável

Ao retirar as carnes das refeições, normalmente os vegetarianos optam por outras fontes de proteína vegetal, como feijões, grão de bico, soja, cogumelos, tofu, sementes, entre outros vegetais de alto valor nutricional. Com isso, têm-se um aporte maior de nutrientes, o que beneficia a saúde.

É claro que esse benefício só ocorrerá se a pessoa fizer a substituição certa, não trocando as carnes por massas, açúcares e frituras, por exemplo.

Contribuição com o meio ambiente

A ONU (Organização das Nações Unidas) afirma que o setor pecuário é um dos grandes responsáveis mundiais pela erosão do solo e contaminação de mananciais aquíferos.

Além disso, as atividades da indústria pecuária geram emissões de gases do efeito estufa e causam o desmatamento de áreas verdes representativas, como a Amazônia.

O vegetarianismo é adotado por muitos como uma forma de resistência e contribuição para a preservação do meio ambiente, no intuito de reduzir os impactos provocados pelo setor pecuário na natureza.

Desperdício de alimentos

Para produzir um quilo de carne são utilizados de 2 a 10 quilos de proteína vegetal, como a soja e o milho. O vegetarianismo enxerga essa discrepância de números como um desperdício e procura combater isso.

Basta pensar que a quantidade de proteína vegetal utilizada é muito maior que a quantidade de carne produzida, ou seja, não compensa. A mesma quantidade de soja e milho poderia fazer mais diferença na vida de pessoas que passam fome.

Combate do trabalho escravo

O setor pecuário possui uma elevada concentração de mão de obra escrava, com trabalhadores em situações degradantes, longa carga e remuneração baixíssima. O vegetarianismo surge como uma forma de rejeição a essa situação.

Vegetarianismo

[VEJA TAMBÉM: GUIA COMPLETO DO VEGANISMO]

Como adotar o vegetarianismo?

Tornar-se vegetariano aparenta ser algo difícil, mas não é. O segredo está em começar a diminuir o consumo de carne aos poucos, até eliminá-la das suas refeições.

Uma excelente maneira de iniciar esse processo é aderir à Segunda Sem Carne, uma iniciativa que sugere retirar carnes de suas refeições toda segunda-feira do mês. Se possível, também exclua outros produtos de origem animal.

Com o tempo, estenda essa eliminação da carne para outros dias da semana. Assim, será mais fácil e natural tirar esse item de seu prato sem causar grandes impactos na alimentação ou no estranhamento na hora da refeição.

O que comer ao se tornar vegetariano?

O vegetarianismo abre as portas de um mundo novo, permitindo testar sabores e pratos diferentes. Mas, é importante saber escolher corretamente os alimentos, para evitar deficiências nutricionais.

Vegetarianismo

Os seguintes itens devem fazer parte das refeições:

  • Feijão: é uma importante fonte de proteína, além de ter fibras (boa para o intestino), minerais, vitaminas e antioxidantes (combate radicais livres);
  • Soja: excelente fonte de proteína magra, cálcio, magnésio, vitamina K e zinco, essenciais para o organismo. Tofu, suco e leite de soja são boas opções para consumo;
  • Sementes: chia, linhaça e gergelim são ótimos exemplos. As sementes têm ômega 3, que é aliada da saúde do coração;
  • Alimento verde-escuro: rúcula, agrião e couve, por exemplo. Esses alimentos possuem grande quantidade de ferro, mineral que evita a anemia.

Além desses alimentos citados, todos os vegetais, frutas, leguminosas, sementes e oleaginosas também podem – e devem – ser consumidos. Consulte um nutricionista para que ele te informe sobre as quantidades necessárias de cada grupo alimentar, evitando, assim, possíveis deficiências nutricionais.


Referências utilizadas neste conteúdo:

https://www.svb.org.br/vegetarianismo1


Este texto foi revisado pelo Profissional: Thais Karpowiski (conheça mais sobre ele(a) clicando no link)

Ajude a melhorar ainda mais o site, avalie:

Sua avaliação servirá para que tenhamos uma noção da qualidade dos nossos conteúdos. Além de marcar a quantidade de estrelas que esse conteúdo merece, não esqueça de deixar seu comentário.

Deixe um Comentário