Quando usar remédios para emagrecer? Entenda quem deve tomar

Conheça aqui os três tipos mais comuns de remédios para emagrecer. Veja como eles funcionam e quem realmente precisa deles para emagrecer.

Dentre as pessoas que precisam emagrecer, muitas delas acabam recorrendo aos remédios das prateleiras da farmácia, para eliminar os quilos extras e ficar com a barriga chapada. Mas quando realmente eles são necessários? Existem algumas contradições entre médicos e pesquisas e aqui vamos tentar dar a melhor resposta para essa pergunta. Afinal, muitas pessoas tomam as medicações, mesmo quando não é necessário.

Existem milhares de opções de remédios para emagrecer no mercado. Entre eles, existem os suplementos naturais e outras medicações fabricadas em laboratório. O primeiro grupo, qualquer pessoa pode tomar, porém sem garantia de resultados. Já os fármacos produzidos pela indústria farmacêutica nos laboratórios, são feitos para um grupo seleto de pessoas. Até mesmo os melhores remédios para emagrecer são controlados. Conheça-os:

O que são os remédios para emagrecer?

remédios emagrecedores

Através de vários estudos ao longo dos anos, desenvolveram-se algumas medicações para emagrecer. Existem alguns grupos de medicações, cada uma atua de uma forma no organismo. Apesar do efeito rápido, elas têm um ponto negativo em comum – seus efeitos colaterais. Esses efeitos variam de acordo com medicação e organismo de cada um, mas estão presente em todos os fármacos e se acentuam quando o uso é feito de forma indevida, acima das doses recomendadas e sem o acompanhamento médico.

Por isso, qualquer canal de informação, sites, revistas, portais de revista, opiniões de médicos, nutricionistas ou profissionais da saúde sempre irá ressaltar a importância de uma dieta saudável e da prática de exercícios físicos, antes de partir para medicamentos emagrecedores.  Afinal, só com uma reeducação alimentar é possível perder peso e manter o corpo desejado por mais tempo.

Por seus grandes riscos à saúde, eles só são vendidos com a retenção da receita dada pelo médico. Ou seja, é preciso passar por uma avaliação e averiguar se você realmente precisa dos remédios para atingir seu peso ideal. Não se deve fazer o uso prolongado acima daquele recomendado para evitar efeitos indesejados mais sérios ou a dependência da substância.

Alternativas saudáveis

Em alguns casos, após a avaliação o médico consta que não há a necessidade de tomar tais medicamentos e acaba recomendando um suplemento natural para emagrecer, que não irá trazer riscos à saúde do paciente. O médico também solicita a prática de esportes e a reeducação alimentar, com refeições saudáveis e equilibradas. Às vezes é preciso apenas que o metabolismo fique um pouco mais acelerado e o paciente não precisa tomar esses remédios para emagrecer.

Muitas vezes a obesidade está associada à depressão ou transtorno de ansiedade. Assim, ao tratar esses distúrbios ou doenças mentais, o paciente por consequência emagrece, ao não notar tão fortemente a compulsão alimentar.

Tipos de remédios para emagrecer

medicamentos para emagrecer

Existem muitos tipos de medicamentos para emagrecer. Mas dentre eles, três grupos de destacam mais. Dependendo da avaliação médica, a recomendação pode variar em cada caso. Veja aqui quais são e como funcionam cada grupo de remédios:

  • Anorexígenos – são inibidores de apetite e capazes de fazer o individuo mudar de comportamento. Feitos a partir de anfetaminas, promovem uma grande energia para a prática de exercícios físicos pela sua capacidade de estimular o cérebro. Promovem a perda de apetite e sono. Em alguns casos os pacientes criam até repulsa por alimentos. São feitos com substâncias similares àquelas encontradas no crack, cocaína, crystal meth e outras drogas ilegais. Causam dependência química e psicológica.
  • Inibidores de absorção de gordura – eles impedem a absorção de gordura no intestino de aproximadamente 30% de todo os óleos e gorduras ingeridos. Ao invés das moléculas serem quebradas e absorvidas, elas são eliminadas através das fezes. Só funcionam quando o paciente ingere alimentos gordurosos. Caso contrário, não adianta tomá-lo, que ele não irá fazer efeito. Por esse motivo, pode causar diarreias e flatulências acompanhadas de líquidos.
  • Sacietógenos – eles também atuam no sistema nervoso, na noradrenalina e serotonina. Promovem a sensação de saciedade e depois recaptam esses sinais. Esses medicamentos retardam esse mecanismo, fazendo com que a saciedade aconteça antes do previsto e eles não comam tanto quanto antes. O uso prolongado pode gerar ansiedade, insônia ou até mesmo sono excessivo.

Quem deve tomar?

remédios para emagrecer

O principal ponto é fazer o acompanhamento médico. Afinal, esses remédios contém um alto potencial de causar dependência, de interagir com outros remédios e até mesmo de causar dependência. Por isso, jamais use sem a recomendação de um profissional. Só o médico poderá indicar o melhor tratamento em cada caso, os grupos de pessoas apta a tomá-los são:

  • Obesos com IMC, Índice de Massa Corporal, acima de 30 . (Veja como calcular o seu IMC aqui);
  • Pacientes que mesmo com a adoção de uma dieta equilibrada e saudável em conjunto com a prática de atividades físicas não conseguiram perder peso.

Em qualquer outro caso, se recomenda a reeducação alimentar, acompanhamento de nutricionista e prática de atividades físicas.


Ajude a melhorar ainda mais o site, avalie:

Sua avaliação servirá para que tenhamos uma noção da qualidade dos nossos conteúdos. Além de marcar a quantidade de estrelas que esse conteúdo merece, não esqueça de deixar seu comentário.

Deixe um Comentário