Epilepsia – O que é, Sintomas, Tem Cura? Veja os tratamentos

O que casa a epilepsia? Veja aqui como acontece uma crise epilética, quais os sintomas e o que é a doença. Apesar de não ter cura, ela tem tratamento - confira aqui qual é.

A epilepsia é uma alteração neurológica, caracterizada como temporária e reversível. A doença altera o funcionamento cerebral por alguns segundos, pois uma das partes do cérebro envia sinais errados, que podem ficar apenas no local ou se espalhar para mais áreas, dando origem às crises.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem com a doença. No Brasil, essa marca atinge 3 milhões de pacientes que precisam lidar com as crises convulsivas. Devido a esses dados, a epilepsia é um dos distúrbios neurológicos de maior expressão nos quatro cantos do globo.

epilepsia sintomas

Sintomas da Epilepsia

Existem diversos tipos de epilepsia que podem definir a sua gravidade, inclusive, os sintomas também se diferem de acordo com a crise, que pode ser parcial ( focal) e generalizada.

Na “crise parcial ou focal”, os sintomas atingem uma área menor no cérebro, pois compromete um grupo reduzido de neurônios. Já no caso da “crise generalizada” são acometidas os dois hemisférios cerebrais, ou seja, um grupo grande de neurônios.

Portadores de epilepsia podem apresentar sintomas de acordo com o tipo de crise, são eles:

  • Crise de ausência: nessa categoria, o paciente se desliga por alguns segundos ou minutos e brevemente pode voltar às atividades. O sintomas são mais leves, no entanto, merecendo acompanhamento médico;
  • Crises focais (parciais): nesse caso, os sintomas são mais abruptos, pois a pessoa pode sofrer com mudanças na percepção ou ter movimentos do corpo que não consegue controlar. Algumas pessoas citam que sentem medo, desconforto no estomago e alterações na audição e visão.

Nem sempre a pessoa perde a consciência, mas, caso perca, a crise passa a ser chamada de “parcial complexa”. Em alguns casos, o portador se sente confuso quando retoma de uma crise.

  • Crise generalizada: o primeiro sintoma é o ataque epilético e a perda de consciência do paciente. Ele cai e denota um corpo rígido, em que todas as extremidades se contraem. Algumas crises podem durar alguns minutos, outras mais de 30 minutos para a pessoa recuperar totalmente a consciência.

A demora na recuperação da consciência é um dos fatores prejudiciais, pois é um agravante que pode causar danos ao cérebro.

epilepsia crise

Causas da Epilepsia

Em muitos casos, as causas da epilepsia são totalmente desconhecidas, no entanto, elas podem ser originadas pelas seguintes situações:

  • Pancadas muito fortes na cabeça (que podem ser recentes ou não);
  • Traumas na hora do nascimento (parto);
  • Tumores cerebrais;
  • Uso abusivo de drogas e álcool;
  • Doenças neurológicas;
  • Lesões cerebrais decorrentes de infecções;
  • Uso de medicamentos sem orientação médica.

Há muitos anos são estudadas a relação da epilepsia com a hereditariedade. Até o momento, sabe-se que existem alguns riscos de uma criança herdar a doença, entretanto, vai depender muito do tipo de epilepsia recorrente na família.

Alguns fatores podem ser levados em conta, como: quantas pessoas na família têm epilepsia, tipo de epilepsia e idade que eles vieram a desenvolver a doença. Existe um grande número de genes envolvidos que ainda estão sob pesquisas, mas nota-se que menos de 15 crianças de 100 nascidas de pais com a doença herdaram o problema.

Principais tratamentos para Epilepsia

Uma pessoa com epilepsia pode passar muito tempo sem ter crises, até mesmo anos. Caso ela não consuma nenhuma medicação e nesse espaço de tempo não apresente sintomas, ela é considerada “curada”.

Para um diagnóstico preciso, é necessário realizar exames de eletroencefalograma e neuroimagem. No geral, o tratamento para epilepsia envolve o uso de medicamentos antiepiléticos, sendo que as pessoas com esse problema conseguem levar uma vida normal, seja no campo pessoal ou profissional.

Existem algumas terapias com dieta especial, rica em lipídios, usada para o controle das crises, mas que deve ser orientada por profissionais. Geralmente, essa opção é muito usada em crianças.

Pacientes com epilepsia devem seguir uma alimentação saudável, fazer exercícios físicos, dormir bem e se livrar do estresse, para ganhar bastante qualidade de vida. Existem outros tratamentos usados para reduzir as crises, como a “Estimulação do nervo vago” , que é feito pela colocação de um implante que libera impulsos elétricos.

Em casos mais graves de epilepsia, nos quais o tratamento medicamentoso não ajuda, é indicada a cirurgia no cérebro para a retirada do foco epilético. Existem diversos tipos de procedimentos cirúrgicos para epilepsia, que devem ser criteriosamente estudados pelo cirurgião neurológico.

Prevenção

tratamento para epilepsiaQuando a epilepsia é de origem desconhecida ou mesmo genética, não existem formas de prevenção. Entretanto, alguns causadores da doença merecem atenção e podem ser evitados, como:

  • Cuide-se contra lesões na cabeça, caso isso aconteça, é importante buscar ajuda médica;
  • Não use drogas ilícitas;
  • Não exagere na ingestão de álcool;
  • Não tome medicamentos sem orientação médica;
  • Vacine-se contra doenças infecciosas.

Pacientes com epilepsia precisam de acompanhamento médico, pois, com o tratamento adequado, é possível reduzir e até bloquear as crises, evitando suas consequências.


Ajude a melhorar ainda mais o site, avalie:

Sua avaliação servirá para que tenhamos uma noção da qualidade dos nossos conteúdos. Além de marcar a quantidade de estrelas que esse conteúdo merece, não esqueça de deixar seu comentário.

Deixe um Comentário