Diabetes tipo 2 – Como ocorre? Quais os sintomas? Como tratar?

Você já deve ter ouvido falar na diabetes tipo 2, mas sabe quais os principais sintomas e as formas de tratamento? Confira, aqui no Quero Viver Bem, tudo!

A diabetes tipo 2 é um importante problema de saúde pública brasileira, visto que está cada vez mais presente dentre a população e acarreta uma série de danos e complicações.

Trata-se de um déficit da ação da insulina no organismo, hormônio responsável pela metabolização da glicose, principal substrato energético do corpo.

A seguir, saiba tudo a respeito desta condição, bem como formas de tratamento e prevenção, só aqui no Quero Viver Bem!

Diabetes tipo 2

Como surge a diabetes tipo 2?

Primeiramente, é essencial diferenciar os tipos de diabetes. O tipo 1 consiste em quadros geralmente familiares, e os sintomas manifestam-se ainda na criança e adolescente.

Em contrapartida, a diabetes tipo 2 é uma doença adquirida, decorrente, principalmente, dos hábitos de vida do indivíduo.

O distúrbio consiste em um estado constante de hiperglicemia (isto é, excesso de glicose no sangue), pelo fato de a insulina ter sua produção reduzida ou haver resistência no organismo.

[LEIA TAMBÉM: QUAL NÍVEL DE GLICOSE É CONSIDERADO DIABETES?]

Causas da diabetes tipo 2

Acredita-se que a diabetes tipo 2 tenha múltiplas causas e, portanto, se deve a um conjunto de fatores, nenhum específico.

Em geral, nota-se o surgimento de diabetes tipo 2 em:

  • Pacientes com mais de 40 anos, principalmente;
  • Casos de sobrepeso e obesidade;
  • Situações de concentração de gordura abdominal;
  • Indivíduos sedentários;
  • Casos de histórico familiar;
  • Gestantes.

Diabetes tipo 2.1

Principais sintomas

A diabetes tipo 2, infelizmente, costuma demorar para ser descoberta, e os exames são realizados apenas quando as complicações já estão presentes.

Mas, o indivíduo deve ficar atento para os seguintes sintomas:

  • Excesso de urina;
  • Aumento da fome;
  • Perda de peso.

Alguns indivíduos considerados de risco devem ser sempre investigados, para evitar maiores complicações. Dentre eles, destacam-se: mulheres com síndrome de ovários policísticos, pacientes com doenças cardiovasculares, histórico de diabetes gestacional, dislipidemia (isto é, desequilíbrio do colesterol), dentre outros.

Diagnóstico

Depois dos 45 anos, recomenda-se que exames de rotina sejam realizados, para que o diagnóstico seja feito precocemente, pois, como vimos anteriormente, dificilmente há manifestação de sintomas.

Basicamente, existem três exames para avaliação dos níveis de glicose no sangue:

  • Glicemia de jejum: mede-se a quantidade de glicose no sangue, após um jejum de, pelo menos, 8 horas;
  • Teste oral de tolerância à glicose: o paciente tem a glicemia medida antes e depois de consumir 75 gramas de glicose;
  • Glicemia casual: é aquele exame normal, que pode ser feito com um pequeno furo no dedo. Para avaliar o resultado, deve-se levar em conta há quanto tempo foi a última refeição.

Depois de realizado o diagnóstico da diabetes tipo 2, outros exames são solicitados, no intuito de rastrear e identificar possíveis complicações da doença. São eles:

  • Hemoglobina glicada;
  • Dosagens de colesterol e triglicerídeos;
  • Exames de urina (para avaliar o funcionamento do rim);
  • Creatinina séria.

glicemia em jejum valores

[CONFIRA TAMBÉM: DIABETES E MÁ ALIMENTAÇÃO – RISCOS]

Tipos de tratamento e cuidados

Depois de realizado o diagnóstico de diabetes tipo 2, o indivíduo deve estar ciente de que precisa mudar seus hábitos de vida e cuidar mais da sua saúde.

Pensando nisso, costumam ser instituídos os seguintes tratamentos e cuidados:

 Alterações alimentares

Com a ajuda de um nutricionista, deve haver uma mudança dos hábitos alimentares, principalmente para eliminar os carboidratos e açúcares da dieta.

Alimentos industrializados, refrigerantes e álcool devem ser abolidos ou, ao menos, evitados.

Prática de atividade física

Estudos científicos já comprovaram que a prática de atividade física, além de promover o emagrecimento, tem controle essencial sobre os níveis de glicemia.

Portanto, o individuo deve adotar tal hábito. E para que seja um momento prazeroso, recomenda-se a escolha de um exercício ou esporte que traga satisfação.

Medicamentos

O uso de medicamentos para a diabetes tipo 2 varia conforme cada caso. Por este motivo, os médicos individualizam o tratamento.

Em geral, em alguns casos, pode ser necessário o uso de insulina, enquanto em outros não.

Complicações

As complicações ocorrem na diabetes pelo fato de o excesso de glicose circulante no sangue ser capaz de lesar diversos órgãos e tecidos.

Pacientes com diabetes tendem a:

  • Desenvolver ou agravar doenças cardiovasculares. Um exemplo típico é a hipertensão arterial;
  • Retinopatia diabética, que, se não identificada a tempo, pode levar à cegueira;
  • Nefropatia diabética, em que o excesso de açúcar no sangue lesiona os rins;
  • Neuropatia diabética.

Ajude a melhorar ainda mais o site, avalie:

Sua avaliação servirá para que tenhamos uma noção da qualidade dos nossos conteúdos. Além de marcar a quantidade de estrelas que esse conteúdo merece, não esqueça de deixar seu comentário.

Um Comentário

  1. Emanuel

Deixe um Comentário